PDA

Ver Versão Completa : Galaxea / Goniopora



Rui Rodrigues
12-10-04, 19:08
Gostaria de saber se são corais assim tão dificeis de manter como dizem?
E as condições de luz e movimentação da água para as Gonioporas...
É que são de facto lindas :palmadass

Roberto Pacheco
12-10-04, 22:37
A Goniopora mais recentemente tem sido um problema serio em as manter vivas mais de 6 meses e o que e interessante e que alguns anos atras era uma das mais facieis para manter num recife. As vermelhas e verdes tem sido agora as mais saudaveis e mais facil de manter do que a Goniopora lobata.

Aqui esta um artigo interessante embora contreversial:

http://www.advancedaquarist.com/issues/dec2002/invert.htm

Diogo Lopes
13-10-04, 16:38
Olá,

As Galaxeas já consegui manter por cerca de 1 ano, mas as Gonioporas apenas duraram no meu aqua (na altura bastante bem equilibrado) cerca de 6 meses.

Abraços,
Diogo

Ronaldo Pinto
09-11-04, 11:55
Fala Rui,

As Galaxeas são extremamente fáceis de se manter em um reef com um crescimento rápido e muito linda!!! vale a pena ter uma no reef...

Luis Faustino
09-11-04, 12:15
Aqui fica um site com fotos de diversas sub-espécies e alguma informação.

http://www.wetwebmedia.com/gonioporapix.htm

Gustavo Duarte
09-11-04, 16:10
Pessoal

Muito tem se especulado do motivo das Gonioporas não sobreviverem no aquário. Em recente estudo que venho fazendo, tenho percebido através de dados da literatura que as Goniopora spp. Não conseguem sobreviver apenas de luz. Como nossos aquários são muito pobrem em plâncton, que é o alimento complementar destas espécies, provavelmente estes corais sucumbem em função da falta de alimento adequado no aquário.

Alguns aquaristas aqui do Brasil estão fazendo experiências com o cultivo de fitoplâncton e zooplâncton para adicionar ao aquário, vistando suprir as necessidades energéticas de certas espécies, como a Goniopora, algumas esponjas, certas poliquetas, pipinos-do-mar filtradores entre outros filtradores que fatalmente morrem de inanição num aquário onde temos vários equipamentos para clarear a água. O escumador por exemplo, remove muitos elementos importantes aos organismos, que favoreceriam o cresciento destas espécies mais exigentes na alimentação chamada heterotrófica.

Organismos autótrofos produzem o próprio alimento, heterótrofos devem ingerir o alimento. O homem é heterótrofo e uma árvore é autótrofa. Corais podem ser tanto autótrofos como heterótrofos, como é o caso do Tubastrea que é totalmente heterótrofo, e dos demais corais que precisam de luz, que tanto se alimentam heterotroficamente, como através de uma simbiose, são também autótrofos.

Quem tiver interesse em ir ainda mais fundo neste assunto de obtenção de energia pelos corais, pode procurar na minha página pessoal por este artigo: http://www.mardecoral.com.br/octopi/energia.htm

A página principal do meu site é esta Octopi (http://www.mardecoral.com.br/octopi/)

PauloMarinheiro
10-11-04, 19:44
Sendo esta a minha primeira intervenção, antes de tudo os meus parabens, ao administrador, por este novo espaço, que espero se torne de extrema qualidade no que respeita às questões da agua salgada.
Em relação à questão que foi colocada, no que diz respeito às gonioporas já quase tudo foi dito, no entanto irei acrescentar informação sobre a Galaxea . As Galaxea , tanto a astreata como a fascicularis , só são assim tão fáceis de manter como diz o nosso amigo Ronaldo se, estiverem de boa saúde e adaptadas ao cativeiro, o que nem sempre acontece já que, as pequenas colónias de pólipos que aparecem no mercado, são frequentemente partidas das colónias mãe e, nesta condição, tornam-se muito susceptiveis de contrair necroses, infecções e recessão dos tecidos.
No entanto e, efectivamente, se a Galaxea aparentemente estiver bem, adaptar-se-á muitissimo bem à vida em cativeiro se, obviamente forem fornecidos requisitos minimos, crescendo inclusivamente. As Galaxea preferem zonas iluminadas, com uma corrente de água moderada o que evita a formação dos longos tentáculos (que queimam os corais vizinhos). A Galaxea tem um esqueleto extremamente fragil. Não é um bom coral para aquarios pequenos, porque mesmo com correntes de água lentas e moderadas alguns dos longos tentáculos desenvolvem-se obrigando a que este coral necessite de algum espaço de segurança em relaçãov izinhança.
A confirmar a durabilidade da Galaxea tenho uma colónia que tem 2 anos e tem crescido bastante, sobrevivendo a uma drástica mudança de aquário e logo de seguida a uma exposição de dois dias a HQIs sem protecção UV (um erro que me sucedeu quando adquiri umas BLV 250w 10 000k a pensar que já tinham filtro UV), a colonia esteve bastante mal (a confirmar poderá dizer o NelsonPena que a viu), e no entanto recuperou em força. Depois de tudo diria que este coral se ultrapassada uma primeira fase por vezes muito critica, adaptar-se-á muito bem à vida em aquário. :sbOk3:



Cumprimentos,
Paulo Marinheiro

Ricardo Miozzo
17-11-04, 13:56
São dois corais que apresentam comportamento completamente diferente em relação a crescimento e manutenção em aquários.
Galaxea é um coral fácil de manter, se o aquário tiver a iluminação adequada.
É considerado "perigoso" por causa dos freqüentes ataques a corais colocados por perto, pois emite tentáculos agressivos com até 10 vezes mais nematocistos que seus tentáculos normais, a fim de "limpar" o terreno em volta de si.
Já a questão da Goniopora é mais complicada; há alguns anos - posso dizer algo entre 6 e 7 anos, esse tipo de coral não apresentava problema nenhum em aquários, mesmo G. lobata, a mais comumente importada. Recentemente, além do problema citado acima relacionado à alimentação do coral, parece que há também um problema de doença no coral, que se desenvolve a partir de quando são capturados e colocados em tanques nos exportadores. Isso ainda é motivo de estudo. Coisa muito semelhante tem ocorrido com Catalaphyllia jardinei, o famoso coral "Elegant".
O mais estranho é que conheço aquários em que Gonioporas vão muito bem e se desenvolvem, crescendo a olhos vistos, mas na maioria dos tanques, o coral costuma não passar de alguns meses.

Roberto Pacheco
18-11-04, 00:41
Esta era a condicao sem alimentacao directa

http://www.reefaquariumguide.com/photos/data/500/9142sickgoniopora.jpg

http://www.reefaquariumguide.com/photos/data/500/9142GonioporaAfter1Week-thumb.jpg

Depois de duas semanas de alimentacao diaria de phyto

http://www.reefaquariumguide.com/photos/data/500/9142GoniporaAfter2Weeks.jpg

Depois de alimentacao diaria por tres semanas

http://www.reefaquariumguide.com/photos/data/500/9142goniopora1.jpg

Gustavo Duarte
18-11-04, 00:55
Pois é Roberto, tem algum tempo que eu venho tentando demonstrar que o problema deste coral é alimentação.

O Elegance eu acho que seja uma doença, mas este particularmente tenho estudado muito as questões energéticas e se você leu meu artigo na Octopi, verá que ele não consegue suprir as carências energéticas com luz apenas.

Roberto Pacheco
18-11-04, 01:38
Esta e a minha quando meu aquario estava bem carregado de peixes e os nitratos estavam constantemente entre 20a 30 ppm.

http://www.reefaquariumguide.com/photos/data/558/7329108_0885.JPG

E aqui um ano e meio depois e pode-se ver que nao tem crescido quase nada e nao abre tanto como anteriormente, a luz agora e muito mais intensa e os nitratos correntemente estao entre 0-2 ppm, eu tenho comecado a dar de comer uma vez por semana para ver se ele pode recuperar.

http://www.reefaquariumguide.com/photos/data/524/7329127_2741-med.JPG

Gustavo Duarte
18-11-04, 20:36
Seu palpite é o nitrato então Roberto?

Roberto Pacheco
18-11-04, 22:08
Bem Gustavo eu acredito que a minha estava melhor com mais nutrientes na agua do que agora como e evidente na foto, mas no meu caso a minha estava saudavel quando-a adicionei ao aquario, infelizmente a vasta maioria das que estao disponiveis agora para hobbiests estao em pessima condicao e morrem em pouco tempo. Por qual razao ? Nao sei mas Eric Bourneman estava investigando e provavelmente vai ter um artigo sobre o assunto no reefkeeping online magazine.

Gustavo Duarte
18-11-04, 23:10
o que eu acho estranho é: se ficar confirmado que é o nitrato, como explicamos sua sobrevivência no mar, onde os nitratos estão bem baixos, muito mais baixos que a capacidade de detecção do teste?

Acho que este é o ponto de interrogação que fica.

Roberto Pacheco
18-11-04, 23:42
Bem e verdade que o nitrato nos recifes e bem baixo e quando se eleva mesmo pouquisso cria tremendos problemas como esta havendo no Mar Vermelho, mas eu penso que pessoas ficariam surpreendidas quanta comida esta disponivel nos recifes que infelizmente e impossivel copiar num sistema fechado como o aquario sem haver serios problemas na qualidade da agua.

" This species does not live in sterile, nutrient-deprived settings... but in the wild in muddy, mucky areas semi-buried in the substrate... sometimes in the shallows of nearshore, other times at the base of reef slopes at depths of 20 meters or more."

"The Waikiki Aquarium (Oahu, Hawai’i) has probably the best specialized "Elegance Coral Tank" I’ve ever seen. Let me describe this set-up for you (all

It has a few inches of fine sand, a bunch (really too many, I'd clear some so you could see the coral specimen) "seagrass" (in their case Thalassia hemprichii) a few fishes (a Phalaena goby, gorgeous green filefish, unid'ed rockfish of some sort), not much circulation, no added aeration, but bright light (the plants and algae were giving off obvious gas bubbles from the halides and sunlight (the roof is "missing")... and the specimen? It is alone, by itself, lying in the "mud/sand" horizontal on the bottom

Now, let me assure you, I've collected this (and other) Caryophyllid (the family of this, the Euphyllias like Frogspawn, hammer...) corals in the wild, and this is how all Elegance corals I've seen live: Horizontal, in relatively stagnant, grassy areas, with bright light, low circulation, with no other stinging celled animals around, in probably "high nutrient" settings

And how do aquarists by and large try to keep Catalaphyllias? In vertical orientations, with brisk, constant circulation, in almost nutrient-free water, with other aggressive stinging-celled animals...

Now, does all this make more/better/any sense? These animals are being kept in barely to un-tolerable conditions. They don't live in environments like your other corals at all. The places where I've seen them live are more like their wild conditions..."



http://www.wetwebmedia.com/elegance.htm

Bruno Ferreira
23-11-04, 22:10
Boas,

tenho seguido atentamente esta discução, e permitam-me uma pequena achega; li algures que apenas 30 a 50 % da alimentação de um coral provem da luz, o que nos leva a fazer a matemática e verificar que os restantes 50 a 70 % têm de vir de outras fontes. Eu possuo alguns corais ( como pr ex. Acroporas, Montiporas, Porites, Caulastrea, Alveopora ) que supostamente apenas se dão com iluminação HQI e eu apenas possua iluminação T8 ( uma lâmpada de esprecto total e uma actinia ) e recentemente tirei uns Frags da minha Acrpora e da minha Montipora e tanto os Frags como os corais estão em ótimo estado, o que eu procuro fornecer aos meus corais é uma alimentação cuidada ( artêmia, vários tipos de liquidos para corais, Phytoplancton... etc... ) o que me leva a concluir que alguns de nós apenas procura dar a melhor iluminação possível e a niglegenciar a sua alimentação "directa", um aspecto que na minha opinião é tão ou mais importante que a iluminação.

Cumprimentos,

Bruno

Julio Macieira
23-11-04, 22:15
Olá Bruno

Certissimo. Concordo perfeitamente.

Já agora. Se tens os nitratos baixos, convido-te a fazer um programa no teu aquario. Por exemplo: Desligar o teu escumador durante a semana e liga-lo somente ao fim-de-semana durante uns tempos e vai postando aqui a evolução do teu aquario. Certamente que ao fim de 8 dias vais ter ainda mais conclusões para tirar.

PS. Eu estou a fazer isso e os resultados são surpreendentes.

Ricardo Lacerda
23-11-04, 23:00
....e eu que à tanto tempo venho a alertar para o perigo do "over-skimming" e ninguém me ligava nenhuma....

Roberto Pacheco
24-11-04, 00:06
"Every coral has a budget of what they need in regards to food. Now in saying that they all get their food budgets in different ways base on the environment they grow in, that’s why different corals grow in different areas. Corals living in highly lighted areas have evolved a complex system of photosynthesis in order to meet their food budget; it is usually around 98%, the balance is captured, these corals would be SPS type corals.
On the other end of the boat is the corals that live in dark locations, because there is no light they have evolved the opposite way, and rely heavily on food capture, and thus are designed in this fashion. now every move a coral makes, extending its polyps or growing or shooting nematocysts or reproduction takes massive amounts of energy out of the corals budget, so instinctively the coral is very conservative with it. You will find that your corals will extend polyp and mimic feeding responses based on flow (mechanical response) and on chemical response (ie clean your glass or feed something to the tank). This does NOT mean the coral is actually feeding, it means that the coral is showing instinctual behavior based on the above mentioned stimulus.
OK to find out what is really being caught and/or eaten you have to come out of the hobby books and go with scientific study that has been done. So on this particular coral (lets say common leather). The weakness of its polyps inhibit it from much in regards to live prey such as zooplankton, studies show maybe 2% actually get caught and eaten this equals lots of energy with little intake, thus they tend to prefer less motile things. Phyto= possibly, but it is unknown, their was a study done once in 1961 by Roushdy and Hansen showed that the a symbiotic soft coral Alcyonium digitatum feed on 14C labeled phytoplankton, this is why Eric has put it in his book, but that is very weak because no other study has ever shown that success or that result. What has been shown by study is that direct absorption through tissue is a major contributor to their nutrient intake, plus no energy spent, also it has been shown that mucus intake (with all the associated bacteria and organics) makes up another huge part of their intake.
So lets just stop here for a moment and summarize, Phyto is still an unknown, Zooplankton has been proven to be to hard to catch and that these corals don’t have much success in actually eating them, also the energy drain is huge. Marine snow (which is the mucus with all the organics and bacteria) has been shown to be a major source of food with little or no energy being used. The other is direct absorption through their tissue, which has no real energy drain.
So what do we feed them so they grow and don’t have more energy going out then in?????? Nothing, they will get their food from direct absorption from nutrients in the water and from Fish pooping and the poop getting caught in their mucus netting and then ingested. So what ever you are feeding to directly feed them is pretty much just hurting your water quality.

Folks when it comes to capturing prey its not just a done deal when it comes to corals that use nematocyst (little barbed spears) it takes a lot of energy and is not the most effective way of capture. The launch of these spears is done by chemical or mechanical stimulations. Zooplankton is an animal and is not going to go laying down, phyto is a piece of algae floating in the water, a little easier form of capture. You could put your finger on it and you would get shot at to. The concept is if the coral can actually use what it has ingested or if it will just regurgitate it. There is not very much protein in phyto (if any??) again the main form of outside food is absorption and mucus netting. We have to remember our tanks are totally stuffed with bacteria, the bacteria is the main form of outside food intake for those that need it or want it.

Many Corals get their food from absorbing nutrients through their tissue, they also feed on detritus floating around in the water and possible some planktonic capture (but that is a guess) and the plankton is not phyto.

There are various feeding mechanisms used by the inhabitants of our reef aquariums. In some instances the same organism may use more than one feeding strategy which is probably an adaptation to ensure that as much nutrition as possible can be extracted from the nutrient poor area that a reef is. This is the case with many coral species.
Filter feeders feed mostly on detritus and fish waste. Those that feed on detritus either digest the bacteria living on them or the particulate organics that coat such particles (Wotton 1988). Will they feed on rotifers? Yes do they need them in place of the above? Nope.
Organisms (sps/most lps/ most soft corals/ feather dusters and so on)that feed on smaller particles such as detritus and its associated components, as well as zooplankton, can either be fed or, in some cases, ignored entirely. Given that large amounts of detritus are produced in reef systems and that this detritus is often found as a fine suspension in the water due to the actions of burrowing worms in the rock, fish, bacterial action and water movement, most filter feeders receive more than enough to eat and do not need any additional feeding.
Zooxanthellae bearing corals (hermatypic), both hard and soft, including mushroom anemones, zoanthids, anemones and gorgonians, can utilize a wide variety of feeding techniques. Not only can they utilize the photosynthetic products of their algal symbionts but they can also feed directly on plankton, bacteria, and detritus and fish feces.
Some corals have even been shown to be able to directly absorb glucose from the water (Stephens, 1962). Other zooxanthellae bearing organisms include some sponges and Tridacna spp. clams. the general consensus is that zooplankton do not contribute a major portion of the caloric or carbon requirements of hermatypic corals (Muscatine and Porter, 1977).
The general rule seems to be the smaller the polyps, the more important zooxanthellae are in the diet (Porter, 1976). Corals feed in a variety of ways. The larger polyped forms (e.g. Euphyllia spp.) can actually feed on shrimp-sized prey which they capture with their tentacles. Other forms collect the slime that forms on the polyps and swallow the microorganisms and detritus trapped in it (Kuhlmann, 1985). Still others can directly absorb nutrients (ammonium, nitrate and phosphate used by the zooxanthellae as well as various amino acids) from the water (Franzisket, 1974; Muscatine and Porter, 1977; D'Elia, 1978; Muscatine and D'Elia, 1978).
Through decades of scientific study (not folks making money off the hobby) it has been proved that almost everything we keep in our tanks feeds on detritus/waste/food/organics and all the things that associated with them (ie: bacteria/nekton/larvae and so on). You as with me have an abundance of these items in our tanks, in most cases to much and we are looking for a way to remove them. If we allow them to be available to our critters and then remove the excess, we don’t allow the balance to create a problem. If we have all this stuff and we continue to add more stuff to feed the corals and such directly we are making it so the corals don’t need the above as their stuffed already and thus we have more of an export issue to deal with.
Natural foods are enlarging far less nutritional then simple prepared fresh seafood. Natural food sources such as larvae/rotifers/copepods/amphipods and so on are comprised of more then just the nutrition the critters need. They have shells/antenii/legs and so on, which do not have nutritional value (or very little).

Now compared to fresh seafood which is all meat and thus nutritious feed your fish and the extra and waste products will feed the balance of the critters in your system. If you have a coral or anemones that require more food then it can get through this, and then just directly feed it a little bit of the food you were feeding the fish."

Ricardo Miozzo
25-11-04, 13:16
A respeito de alimentação da Goniopora; extraordinário ! Parece-me, mesmo, pelas fotos, que a questão é alimentação.
Em relação à Catalaphyllya, também já observei esse encolhimento com o tempo, e reporto a algum tipo de doença.
No geral, a respeito de corais; cada coral tem um tipo de metabolismo, no que diz respeito ao aproveitamento de luz para sua manutenção e sobrevivência. Existem corais - notadamente os sps - que se utilizam apenas de luz em até 98% para se manterem saudáveis.
O que temos que levar em conta, em geral, é a quantidade de plancton que ocorre no ambiente natural, e raramente ou, pelo menos, deficientemente, em aquários. O problema de Catalaphyllya, portanto, pode também estar relacionado a isso.
No entanto, já notei C. jardinei chegarem perfeitas quando importadas e, apenas alguns dias depois de colocadas em aquários, sofrerem o tal "encolhimento".
A respeito dos corais importados e sua qualidade de alguns anos para cá; também notei isso, especialmente em relação às espécies oferecidas e à qualidade às vezes lamentável dos corais que tenho visto chegar.
Na minha opinião, são duas as causas
1 - Péssimas condições de coleta
2 - Péssimas condições de manutenção até o coral chegar ao importador

Bruno Ferreira
26-11-04, 23:09
Boas,

http://www.mardecoral.com.br/octopi/energia.htm

http://www.mardecoral.com.br/octopi/fome.htm

na minha opinião dois artigos a ter em conta.

Cumps,

Bruno

Ricardo Lacerda
27-11-04, 17:21
Oi Bruno...
...na verdades esses artigos da página pessoal do nosso convidado VIP Gustavo Duarte são sempre uma maravilha para recolher informação!!!

Ricardo

Gil Miguel
04-09-05, 20:13
Em relaçao á Galaxea Ja tenho uma há ja 5 meses e noto zonas de formaçao de novos Polipos, ou seja, está a crescer e nunca me pareceu um coral complicado.
Quanto á Goniopora, e apesar de manutençao muito complicada e desaconselhável, tenho lido vários relatos de pessoas que as mantem por varios anos, através da sua colocaçao durante algum tempo Em refugios já muito bem maturados, de x em x meses.