AJUDA DE aquariofilia marinha - REEFFORUM

Aqui você pode encontrar respostas a dúvidas sobre o funcionamento do fórum. Use os links ou a caixa de pesquisa para encontrar o que procura.

Série com um passo-a-passo detalhado de como construir seu aquário

Quando montamos um aquário de rochas vivas, é muito importante prestar atenção ao movimento de água que o aquário terá. Através de anos experimentando diversas formas de montar aquários, cheguei a um modelo basicamente à prova de problemas.

Esta série de artigos tratará de como montar o aquário, e o passo a passo até ele estar pronto para receber os corais vivos.
Pode-se montar um aquário com os equipamentos mais sofisticados do mercado, mas se o próprio aquário for mal projetado, ocorre um fracasso ou o aquário dá tanto trabalho que passa a ser uma chatice ao invés de diversão.

Nesta série, não recomendarei produtos específicos nem discutirei qual produto e de que modelo usar para cada aquário.

Seria tão trabalhoso fazer isso, que precisaríamos de um livro.
Seguirei, sim, regras gerais que encontrei para construir aquários de qualquer tamanho.

Bomba Principal

A maioria dos aquários desse tipo tem volume considerável, portanto uma bomba d’água de considerável potência é geralmente aplicada.
Essa bomba é denominada "bomba principal" do aquário, pois colocará a água retida no aquário propriamente dito em contato com a água de um reservatório, onde se localiza o equipamento de suporte.
O reservatório do aquário foi desenvolvido numa época em que se precisava de uma determinada quantidade de equipamentos para o aquário que, se colocada à vista das pessoas, costumava incomodar.
Seja qual for seu posicionamento, sempre serve para esconder o skimmer, pré-filtros, aquecedores, e outros equipamentos que sejam necessários.
Logo se percebeu que era muito importante coletar água de superfície para que fosse tratada pelo skimmer. É nessa região que se concentram os surfactantes, importantes compostos a serem extraídos pelo skimmer. Uma característica "poeira" que se acumula na superfície de aquários sem coletor de superfície evidencia a presença de surfactantes. Esse "filme" de matéria orgânica prejudica a troca de gases do aquário com o meio.

A bomba principal do aquário tem por função, portanto, transportar água do aquário para ser tratada no reservatório, e vice-versa. Da época do aquarismo com filtro de dry-wet, herdou-se a prática de usar uma bomba confiável e de altíssima vazão. Para filtros desse tipo, quanto mais potente a bomba, maior seria o volume de água passando pelo filtro.

Para aquários de corais vivos, no entanto, a bomba principal do aquário não precisa ser tão forte, apesar de necessariamente confiável. Se o aquário se utilizar de um resfriador, a bomba precisa ter mais pressão de saída, ou capacidade de elevação de água, do que se levasse a água sem passar por um aparelho desse tipo.

De qualquer forma, não é necessário usar bombas de vazão superior a 2 vezes o volume do aquário por hora.

O importante é que o fornecimento de água seja constante, de maneira a não haver oscilação nos níveis de água do aquário e do reservatório.

Construção do coletor de superfície

O coletor de água da superfície tem que ser construído de maneira que não provoque problemas por um longo período de tempo. O ideal seria que nunca desse problema.
Existem duas maneiras de se posicionar o coletor; uma, por dentro do aquário, e outra, por fora.
Se for colocado por dentro do tanque, é necessário furar o vidro inferior e instalar uma flange. Através da flange a água fluirá por tubos que a levarão para o reservatório. Se o reservatório for atrás ou ao lado do aquário, não há necessidade de flange, mas de um recorte no vidro que faça com que a água flua na direção do reservatório.
Um prolongamento de tubo ou uma construção de vidro que vá até o nível de superfície da água fará com que se estabeleça um nível, a partir de onde a água flui. É importante notar que quanto mais forte for a bomba principal do aquário, maior será a diferença de nível de água dentro do tanque, tomando-se por base quando a bomba estiver ligada ou desligada. Por causa disso, deve-se deixar boa margem de espaço entre as travas do aquário e o nível do vertedouro, para não haver transbordamento para fora do aquário. Uns 4 ou 5 centímetros costumam ser suficientes.

Fig. 1


Caso se opte por instalar o vertedouro por fora do aquário, pode-se fazer um furo num dos vidros laterais, instalar uma flange ou construir uma caixa de vidro por onde a água escorrerá até o reservatório.

Esta opção é mais trabalhosa, mas é sempre bom evitar furos no vidro do fundo do aquário.

Lembre-se; um aquário deve ser projetado para durar 15, 20 anos !

O tubo de caída da água deve ser superdimensionado em diâmetro para evitar problemas, e por conseqüencia, a flange deve ser bem grande.
Geralmente, flanges de 1" dão vazão a 4.000 L/h de água sem problema nenhum.

A água cai para o reservatório e normalmente produz uma quantidade razoável de bolhas. Uma parte delas é de tamanho reduzido, por isso deve-se tentar evitá-las. Essas microbolhas podem causar problemas aos corais.

Para se evitar problemas de bolhas, muitas vezes basta construir uma solução simples com alguns tubos, conforme a figura abaixo.

Fig. 2


A água cai pelo tubo que tem na ponta uma curva com adaptação para um "t" de diâmetro maior do que o tubo usado para a queda d’água. Dessa maneira, as bolhas são pulverizadas antes de entrar na água. A maioria delas é então eliminada.

O mesmo procedimento serve se o reservatório for ao lado ou atrás do aquário.

Como a bomba principal do aquário não é superdimensionada, não há formação de bolhas em excesso e o sistema as dilui.

Nunca instale qualquer válvula de retenção no vertedouro !

Muita gente faz isso, para equilibrar o volume de água que cai pelo vertedouro e assim eliminar barulho. O risco de fazer isso é um dia encontrar o aquário transbordando por causa de oscilações de corrente elétrica.

Para eliminar o barulho, bastam alguns bioballs ou outro meio qualquer de obstruir parcialmente o vertedouro, diminuindo assim a velocidade de queda da água.

Se for necessário diminuir a vazão da bomba, instale uma válvula na saída da água da bomba.

O uso de válvulas de retenção é muito perigoso. Pode haver oscilação na corrente elétrica, ou entupimento da válvula. Evite-as a qualquer custo.

Retorno de água

O retorno de água da bomba para o aquário deve ser construído de forma que a bomba devolva água na superfície do aquário. O fluxo deve ser direcionado para os lados ou para a frente, nunca virado para o fundo.
Novamente, evite furos no vidro, e faça conforme a figura abaixo.

Fig. 3


Dessa maneira, não se usa uma válvula sequer, e não se faz mais que um furo no aquário.

Usar mangueiras flexíveis para conectar a bomba aos tubos de PVC é uma boa idéia. Toda bomba vibra, e usando a borracha da mangueira como amortecedor, diminui-se muito o barulho causado pela vibração.

Se a bomba desligar, a água volta ao reservatório até o tubo de descarga encher de ar.

O fluxo de água pode ser medido colocando a bomba principal para funcionar e recolhendo-a num recipiente de volume conhecido. Marca-se o tempo necessário, e faz-se uma conversão para encontrar a vazão em litros por hora.

Por exemplo; se a bomba enche um recipiente de 20 litros em um minuto;
20 L = 1 minuto
x L = 1 hora
1 hora = 60 minutos
Vazão = 60 x 20 = 1.200 L/h
Isso seria suficiente para um aquário de 500 a 600 litros.

Se a bomba estiver ligada a um resfriador, será necessário observar a vazão recomendada pelo fabricante do aparelho, mas geralmente elas se adaptam a estas regras.
Construindo o aquário dessa forma, não há necessidade de nenhuma válvula, a não ser na bomba, para o caso de ser necessário desconectá-la.

O reservatório

O reservatório do aquário deve ser o mais espaçoso possível.
Tem de caber tudo o que você planejou, e eventualmente mais alguma coisa, por isso procure fazer de maneira a ter o máximo de espaço livre.
Geralmente instalamos ali o skimmer, o aquecedor, e deixamos espaço para colocar sensores e carvão ativado.
O mais simples e óbvio é o que funciona melhor; faça uma caixa de vidro do maior tamanho possível, livre de qualquer obstáculo. O reservatório tem que conter a água que cai do aquário se a bomba principal desligar, por isso deve-se proceder ao seguinte cálculo de volume:

Um aquário de 150 x 50 centímetros possui um vertedouro que coleta água com uma diferença de 3 centímetros entre o vidro do vertedouro e a superfície da água.
Isso implica num volume de 22,5 litros, pois 3 x 150 x 50 = 22,5. Se o reservatório tiver 100 x 50 x 50 centímetros, o nível da água dentro dele deve ser de, no máximo, 30 centímetros, pois os 22,5 litros de água do aquário farão com que o nível de água suba 4,5 centímetros no reservatório; 30 + 4,5 = 34,5 cm.
Como o reservatório tem 50 cm de altura, não transbordará. Haverá ainda uma folga de 15,5 cm como margem de segurança.
Sem colocar nenhum obstáculo à água em sua passagem pelo reservatório, praticamente não há possibilidade de que cheguem bolhas à entrada da bomba principal, causando um dos maiores transtornos do aquarista; as microbolhas.
Quando uma bomba coleta uma bolha, pulveriza-a em milhões de minúsculas bolhas, que têm enorme dificuldade de atingir a superfície e se desfazer. São tão pequenas, que sua flutuação é fraca. Por isso, flutuam pelo aquário inteiro.
Quanto mais bolhas, mais bolhas serão pegas pela bomba, e estabelece-se o inferno.
Pior; só se descobre que o aquário tem esse problema quando se acendem as HQIs, pois enquanto não há uma fonte de luz bem forte, é virtualmente impossível ver as bolhinhas passeando pelo aquário, dado seu tamanho diminuto.
Quando se coloca qualquer obstáculo à água, apenas consegue-se aumentar sua velocidade dentro do reservatório, e as bolhinhas chegam à bomba.
Com as soluções apresentadas até aqui, é 99% garantido que não haverão problemas desse tipo.
Repare; não há necessidade de usar préfiltros ou qualquer outro material que suja a água. Préfiltro só pode ser usado por alguns dias seguidos. Depois, tira-se o material para lavar ou substituir. Da maneira que descrevo aquí, não há necessidade de usar nada disso. A sujeira do aquário vai naturalmente acumular em algum lugar do reservatório, e pode ser sifonada quando se efetuar trocas de água

http://www.aqua.brz.net

Ricardo Miozzo
Colaborador de Aquarismo Marinho

Pesquisar AJUDA

Selecione esta opção se você deseja que sua pesquisa procure no texto dos itens da AJUDA, assim como nos títulos.

Selecione uma opção aqui para especificar como deseja que sua pesquisa seja tratada. 'Qualquer Palavra' retornará o maior número de possíveis resultados relevantes, enquanto 'Frase Completa' retornará apenas resultados que contenham exatamente aquilo que você pesquisou.