AJUDA DE aquariofilia marinha - REEFFORUM

Aqui você pode encontrar respostas a dúvidas sobre o funcionamento do fórum. Use os links ou a caixa de pesquisa para encontrar o que procura.

Construindo um Aquário de Rochas Vivas – Parte 2

Muito bem; já temos o aquário pronto, com reservatório e queda d’água.

Já escolhemos uma boa bomba para fazer o recalque da água.

E depois ?

Conexões, tubos, etc - os ossos do ofício

Todos temos certas aptidões insuspeitas; quando se monta um aquário, descobrimo-las aos montes. Uma delas, é ser especialista em encanamentos. Todos aprendemos como colar tubos, conectá-los, e tudo mais. Mas quando se trata com hidrodinâmica, a coisa fica complicada. Pressão, diâmetro de tubos, conexões em "t", curvas, e as "coisinhas de nada" que você vê seu amigo aquarista antigo fazer com o pé nas costas viram um verdadeiro tormento quando é você que vai fazer em casa. Aos que têm menos aptidões manuais; não façam sozinhos. Contratem alguém. Se tiver dúvida, ligue para um aquarista com prática, procure sua loja de confiança e exponha seu problema; tem sempre um espírito santo para ficar explicando tudo por horas, pois gosta dessa parte do negócio (eu, por exemplo).

Começando pelo início; aquários de rochas funcionam à base de várias bombas. Têm a bomba de recalque e todas as que fazem a movimentação de água dentro do aquário. Um aquário de uns 500 litros pode ter umas 5 ou 6 bombas. Logo descobrimos que bombas vibram, e dependendo da maneira com que são instaladas, fazem um barulho infernal. Sempre recomendo, por causa disso, que não se instale aquário no quarto de dormir. Acaba sendo um horror. O mais silencioso aparelho, à noite, vira um elefante no quarto, bramindo com ânimo infindável.

Para reduzir barulhos ao máximo, e facilitar a manutenção dos aparelhos do aquário, faça o seguinte;

Bomba principal

Parece bobagem, mas antes de instalá-la, veja se cabe no lugar que preparou para ela. A bomba deve ser conectada a uma flange instalada no reservatório (estou assumindo que o sump fica embaixo do aquário, porque esse método se universalizou), para nunca correr o risco de funcionar a seco. As conexões devem ser feitas da seguinte maneira;

Coloque na saída da bomba uma válvula de esfera. Observe a direção necessária de fluxo de água na válvula.

Coloque um adaptador de mangueira na saída da flange, e outro na saída da bomba. Adaptadores desse tipo são meio difíceis de encontrar; geralmente existem à venda em lojas especializadas em plásticos ou jardins. Parecem espigas pretas com uma rosca macho numa das pontas.

Nunca use tubulação de menor diâmetro do que indicado na entrada da bomba. Isso fará com que ela cavite, enchendo o aquário de bolhas, e diminui muito sua vida útil !

Coloque outro adaptador para mangueira na entrada da válvula conectada à bomba.

Ligue as duas extremidades dos adaptadores com mangueira de borracha transparente (porque assim é certamente atóxica), e prenda bem a mangueira com braçadeiras. As braçadeiras podem ser de plástico ou de metal. Nas de metal, use silicone ou vaselina para revestí-las após o aperto, para evitar oxidação. Cuidado no aperto ! Se apertar demais, pode quebrar o plástico do adaptador. Se tiver risco ou dúvida de vazamento do adaptador, ponha um pouco de silicone na rosca interna de todas as peças, e na espiga do adaptador antes de colocar a mangueira. Quando secar, o silicone veda possíveis fissuras.

Faça as conexões necessárias na saída da bomba, e instale outro adaptador com válvula de esfera alí também. Com isso, sempre que for necessário tirar a bomba para limpeza, é só fechar as duas válvulas e tirar a bomba do lugar.

Com isso tudo, a bomba cresce bastante de comprimento, por isso eu disse que se deve tomar cuidado para que ela caiba em seu lugar.

O lado bom disso, paesar da perda de espaço, é a facilidade de retirada da bomba e a diminuição dos barulhos de vibração. Sob o pé da bomba, coloque um material absorvente de impacto e macio, mas resistente, como o EVA. EVA é um composto de borracha aerado, que não pega fogo fácil e resiste bem à água salgada. Também é difícil de achar, mas é melhor que isopor. Pode ser usado também sob a base do aquário, e possui mais capacidade de reter calor (ou frio, no nosso caso), do que o isopor. É muito importante fazer o melhor isolamento térmico possível no fundo do aquário, pois é por alí que se troca calor em grande parte no aquário (lembra ? a água fria tende a se depositar sobre o fundo).

Sempre use veda rosca de boa qualidade, para todas as conexões em que isso for necessário. Bombas para aquário geralmente são importadas, e existe diferença entre as medidas em polegadas dos EUA e daquí. Estranho, Não é ? Mas é assim. Portanto, atenção às medidas indicadas na bomba. Pode ser necessária uma boa quantidade de veda rosca para conectar uma peça brasileira a uma bomba americana.

Bomba principal instalada.

Bombas internas

São variadas em formato e tamanho, mas todas fazem a mesma coisa; pegam a água por debaixo e jogam-na para a frente. Instale-as seguindo o seguinte;

Sempre use ventosas de borracha para colocá-las junto ao vidro. As ventosas geralmente são boas, mas escorregam com o tempo, fazendo a bomba cair do lugar. Evite isso escolhendo criteriosamente o lugar de cada bomba, colando as ventosas ao vidro com silicone. Cole as ventosas com o suporte, e depois de 24 hs coloque as bombas nos suportes, senão elas caem.

Para quem prefere bombas escondidas, lembre-se; quanto mais difícil de tirar a bomba do lugar em que a colocou, pior. Eu já tive de cortar fios de bombas escondidas e largá-las no aquário, por causa de crescimento de corais. A bomba pifou em determinado momento, e tive que tirá-la do lugar para abrí-la e trocar o ímã. Adivinhe ! Um coral cresceu em cima dela, e grudou no vidro de trás do aquário. Para tirar a bomba dalí, eu tinha que esmigalhar o coral. Não tirei, então tive que deixá-la parada e arrumar outra bomba para fazer o que essa estava fazendo. Moral da estória; ponha bombas onde possa tirá-las e recolocá-las no lugar a cada três meses, que é o tempo que demoram para começar a diminuir em rendimento por causa de incrustações de cálcio e bichos do aquário.

Instale um wave maker. Além de economizar tomadas, (geralmente liga 3 ou 4 bombas de maneira programável) ele atinge a maior combinação possível de fluxos d’água dentro do aquário. Períodos de 3 a 6 minutos entre cada troca de programação são recomendáveis, apesar de que existem aparelho pré-programados que funcionam à perfeição.

Use bombas de qualidade. Nunca escolha powerheads pelo preço. Particularmente, Otto(marca registrada) é uma bomba que quebra. Tenho que citar essa nominalmente, pois já trabalhei com elas, e já tomei choques, me queimei, troquei bombas cozidas dentro do aquário a cada 3 meses, e várias outras tragédias. Cuidado. Eu não gosto dessa marca, apesar de reconhecer que enquanto funcionam direito, empurram uma quantidade de água assombrosa.

Devemos ter em mente o seguinte; é quase impossível descobrir, antes de colocar a rocha viva, como a água vai circular dentro do aquário. Todas as tentativas são em vão. Dá para ter uma idéia geral, mas saber direitinho é impossível. Procure colocar as powerheads após fazer a decoração do aquário. Nunca instale powerheads perto do fundo do aquário, para não estragar o processo de denitrificação. Já ví aquário com nitrato por causa disso. Como regra geral; instale powerheads da metade para cima do aquário, e mesmo assim, as que estiverem mais baixas devem ter as saídas viradas para cima. Por muito tempo, instalou-se powerheadas viradas para os vidros do aquário, a fim de diminuir a força da água contra os animais. Hoje, com a variedade de bombas disponíveis no mercado, não é mais necessário fazer isso; instale bombas de vazão apropriada ao volume do aquário, e que peguem água de um lado e joguem-na o mais longe possível. Quando várias correntes de água se encontram, promovem uma coisa chamada "turbulência", que é muito desejável. Logo percebemos que a melhor maneira de conseguir isso é com um bom wave maker. A combinação de wave makers com aparelhos de oscilação, apelidados pelo mercado de "gira-giras", é ainda melhor, e economiza no número de powerheads. É importante notar que pode-se fazer um aquário funcionar muito bem só com wave maker e bombas, e melhor ainda com os osciladores ligados ao wave maker, mas não se pode obter os mesmos resultados só com gira-giras. Explico; os corais precisam de momentos de água lenta ou quase parada. O movimento ininterrupto de água que se obtém com uso exclusivo de gira-giras também prejudica; não é só água parada que causa problemas.

Powerheads escondidas no meio das rochas também podem causar vibrações. Demorei meses para descobrir que o barulho infernal de vibração de um aquário vinha de uma powerhead encostada numa rocha, que por sua vez enconstava no vidro do fundo do aquário. Desencostei a pedra, e o barulho parou.

Fios de todas as bombas devem fazer uma curva para baixo antes de chegar na tomada de energia. O fio deve ser colocado de tal maneira que, se escorrer água por ele, não seja possível dela molhar a tomada. Água salgada e energia elétrica promovem uma combinação mortal. Já tomei choque medonhos por causa de tomada molhada. Cuidado.

Também pode parecer óbvio, mas antes de tudo isso, é muito bom verificar a necessidade da qualtidade de tomadas para seu aquário. Qualquer aquário usa um bocado delas, e um projeto bem pensado evita o suo de porcarias com extensores e "benjamins". Procure planejar sua instalação elétrica para evitar dores de cabeça. Iluminação por HQI geralmente requer tensão de 220V, portanto uma tomada dessas é uma boa idéia, mesmo que seu aquário tenha luz fluorescente. Um dia, quem sabe...

Ligando as bombas

A bomba principal precisa estar cheia d’água para funcionar direito. A maioria delas (as de boa qualidade) dispõe de um sistema automático que as desliga quando esquentam demais, sinal de que estão sem água. Mas isso estraga a bomba. A maioria não é auto-escorvante, o que quer dizer que não são capazes de sugar água, mas apenas de empurrá-la. Para isso, o compartimento do rotor da bomba precisa estar cheio d’água. Após certificar-se de que seu aquário preenche este requisito fundamental, ligue a bomba na tomada. Respeite a tensão indicada pelo fabricante para não queimar a bomba.

Logo após ligá-la, ela geralmente não funciona a todo vapor; é necessário que comece a empurrar a água que contém para que mais água seja empurrada para cima, e se dê seu volume total. Se estiver caindo menos água pelo vertedouro do que a bomba manda para cima, feche um pouco o registro de saída da bomba para não provocar um transbordamento e conseqüente alagamento da sala. Isso indicará também um erro de cálculo no encanamento do aquário, mas com a válvula se resolve esse problema. Após certo tempo de funcionamento da bomba, e verificação de que todas as conexões não vazam (sempre tem uma pingando !), olhe bem para o aquário e veja se ele próprio não vaza. Isso é muito importante e todo mundo sempre esquece. Um pequeno pinga-pinga é sinal de problema sério. É raro, mas se isso acontecer, deve desmontar o aquário todo, e começar tudo de novo.
Olhe atentamente as flanges. Geralmente elas é que dão os mais sérios problemas, que também acarretam em desmontagem do aquário.

Se tudo correu bem, ótimo. O aquário estará circulando água e tudo funcionando direitinho.

Esvazie o aquário.

Próxima edição: fazer o filtro denitrificador, colocar a areia e a água.

http://www.aqua.brz.net

Ricardo Miozzo
Colaborador de Aquarismo Marinho

Pesquisar AJUDA

Selecione esta opção se você deseja que sua pesquisa procure no texto dos itens da AJUDA, assim como nos títulos.

Selecione uma opção aqui para especificar como deseja que sua pesquisa seja tratada. 'Qualquer Palavra' retornará o maior número de possíveis resultados relevantes, enquanto 'Frase Completa' retornará apenas resultados que contenham exatamente aquilo que você pesquisou.