AJUDA DE aquariofilia marinha - REEFFORUM

Aqui você pode encontrar respostas a dúvidas sobre o funcionamento do fórum. Use os links ou a caixa de pesquisa para encontrar o que procura.

Explicações e dicas claras para atingir a circulação de água ideal em aquários

A circulação de água em aquários de recifes de corais gera sempre muita polêmica, muitas vezes por causa de mal-entendidos.
Nos primórdios do aquarismo de recifes de corais, nem se desconfiava que era necessária uma boa circulação, e mantinha-se por algum tempo corais de vários tipos dentro de aquário construídos para peixes.
Os corais tinham uma sobrevida sofrível, e depois de algum tempo morriam.
Claro que não apenas por causa disso, mas um dos fatores importantes para mantê-los por mais tempo vivos é a boa circulação de água.
Após a criação dos filtros dry wet, uma adaptação de um sistema de limpeza de rios e águas servidas das grandes cidades, resolveu-se montar aquários com uma circulação de água maior, pois o filtro dry wet precisa de uma grande taxa de circulação de água sobre si para funcionar a todo vapor. Quanto mais circulação, o filtro obtém maior a taxa de nitrificação em menor tempo.
Por conta disso, quando os primeiros aquários de rochas vivas foram montados, o erro de manter uma enorme circulação de água do aquário para o reservatório ( já desprovido de bioballs ou qualquer outra mídia filtrante) permaneceu.
Esse problema persiste até hoje. Seja porque os lojistas gostem de vender bombas caras – pois essas bombas que promovem alta taxa de recalque de água são bem mais caras – seja por desconhecimento, o fato é que a coisa está assim.
Bombas fortíssimas – já ouvi casos de aquários de pouco mais de 100 litros funcionarem com bombas de mais de 4000 litros por hora – são colocadas para funcionar em aquários que não precisariam nem de uma vigésima parte disso.
As conseqüências; água quente, exagero de circulação de água, com areia que não pára no lugar, e corais que são arrancados de suas bases ou esqueletos.
A água fica quente porque essas bombas foram feitas para circular água de aquários grandes, onde a dissipação do calor na água faria pouco efeito no cômputo geral. A circulação excessiva de água promove alguns locais do aquário em que se torna proibitiva a colocação de corais. A movimentação é tão grande que um coral não consegue parar no lugar, em alguns pontos do aquário.
Excesso de movimentação faz mal aos animais, porque força seu tecido mole de encontro ao esqueleto ou base, de maneira a cortar a parte mais macia ou até mesmo arrancar o pólipo do coral.
É imperativo, portanto, não exagerar, provendo o aquário de forte movimentação de água, sem no entanto incorrer em risco aos animais. Existem diversas modalidades de movimentação de água, a saber:

Laminar, ou de superfície

É a movimentação mais próxima da superfície, importante para uma boa troca de gases entre a água e o ar imediatamente acima. A água salgada tem uma capacidade relativamente baixa de manter oxigênio dissolvido se comparada à água doce. A saturação de oxigênio da água salgada encontra-se em torno de 7 mg/L, e é relativamente difícil manter esse nível. Principalmente à noite, quando as algas estão respirando, e portanto não produzindo O2 via fotossíntese, é muito difícil manter a concentração de O2 sequer perto da saturação.
Já sabemos que com skimmer de boa qualidade e apropriadamente dimensionado para o aquário, esse problema pode ser minorado. Outra maneira de aumentar a dissolução de O2 na água é por meio de produzir uma boa movimentação de água na superfície do aquário.
Fazer com que a água agite a superfície de água do aquário aumenta a superfície da interface ar/água, e consequentemente potencializa as trocas de gases entre esses dois meios.
É, então, muito importante agitar a superfície da água.
Faz-se isso de diversas maneiras; a mais simples é usar a água do retorno do reservatório do aquário, geralmente movimentada por sua bomba d’água de maior vazão. Retornar a água do reservatório pela superfície é bastante importante, e não causa problema nenhum. Como geralmente a água que vem do reservatório foi previamente tratada pelo skimmer e resfriada pelo chiller, possui características físicas diferentes da água circundante, suficientes para que tenda a "afundar" mais rapidamente do que o normal. Água fria tende ir de encontro ao fundo, portanto dizer que se a água do aquário sai e volta pela superfície não há troca de água no próprio aquário é pura bobagem. Além disso, usamos bombas fortes o bastante para movimentar entre o reservatório e o aquário um considerável volume de água por hora, de maneira que dificilmente a água não encontra uma homogeneidade razoável em pequeno espaço de tempo.

As alternativas de retorno de água, como por exemplo o muito difundido retorno de água pelo fundo, são completamente desaconselháveis. O fundo de aquários com filtro denitrificador deve possuir movimentação de água suave, a fim de não forçar a água de sob a areia a subir muito rapidamente. Digo isso por experiência própria; já resolvi problemas de aquários com mais de seis meses e persistente presença de nitratos apenas por mudar as posições de suas bombas internas.

O que buscamos, portanto, tomando por conta a movimentação de água do aquário como um todo, é justamente um equilíbrio entre a estratificação, com alta velocidade de água junto à superfície e uma leve movimentação perto do fundo.

Se a bomba principal do aquário soltar a água perto da superfície, e se for possível dividir a força de sua saída usando-se mais de um tubo de descarga, conseguimos isso com facilidade.

Interno

O movimento de água interno do aquário é mais complicado de se estipular, pois deve-se buscar obter forte movimentação, atingindo todo o aquário, sem no entanto perturbar o fundo de areia nem prejudicar os corais.
Certamente, a maneira mais simples de se restringir o movimento de água dentro do aquário é colocando as bombas internas entre as rochas. Fazendo isso, a água sai das bombas e vai, muito provavelmente, de encontro aos vidros ou rochas, e por uma simples questão de vetores, tem sua força dissipada.
A preferência de muitos aquaristas por esconder as bombas internas de maneira a não poluir visualmente o ambiente tem a contrapartida de obrigá-lo a usar muitas bombas para surtir o efeito desejado de movimentação interna de água.
De toda forma, o maior problema será o aquecimento que a água sofrerá por conta de todas as bombas necessárias para que surtam o mesmo efeito que poucas bombas fariam se colocadas fora das rochas. O uso de bombas fixas contra os vidros do aquário, ligadas ou não a um wave maker, é bem mais racional do que escondê-las entre as rochas, pois os jatos de água podem ser direcionados de acordo com a necessidade, sem que batam em nada antes de promoverem a maior circulação possível de água.
Ligando-as a um wave maker, obtemos a vantagem de oscilar as correntes de água. Isso nos traz muitas vantagens, pois são as várias possibilidades que esses aparelhos apresentam de movimentar a água por ligar e desligar as bombas a certos intervalos de tempo.
Usando o wave maker, e conectando-se as bombas a aparelhos que as movimentam, chamados de gira-giras, é possível obter o máximo de aproveitamento do uso das bombas internas. O inconveniente de termos bombas à vista do observador são suplantados de longe pelas vantagens.
Ligando as bombas a gira-giras, e a um wave maker, temos a oscilação de corrente proporcionada a cada bomba somada ao liga-desliga provocado pelo wave maker, tornando o sistema totalmente randônico e portanto, mais parecido com a movimentação da água que se encontra nos recifes.

Turbulência

É o tipo de movimento provocado quando correntes de água de direções diferentes se encontram. A água forma pequenos redemoinhos, e movimenta-se de maneira imprevisível, provocando uma verdadeira escovação na superfície dos corais em seu caminho. Esse tipo de movimento de água beneficia os animais por tirar de sobre deles qualquer material que se acumule, estimulando também a circulação de água dentro de seus corpos, e a troca de gases com a água.

Uma bomba ligada direto, sem interrupção, gera uma corrente de água unidirecional. É melhor do que nada, mas não traz muito benefício porque a água "acostuma" a fazer determinado caminho, mesmo levando em conta sua natureza fluida, e os corais atingidos por essa corrente recebem-na sempre da mesma forma, também "viciando" na direção da água.



Se houver acúmulo de detritos do lado que não recebe correntes de água, o animal pode ser prejudicado.
Se ligamos duas ou mais bombas, também sem interrupção, teremos turbulência e uma ligeira variação nas correntes, pois a água começa a apresentar um pouco de variação em suas direções, à medida em que as correntes de várias bombas se encontram.
Já quando se liga as bombas a um wave maker, a programação de liga-desliga das bombas provê maneiras com que as correntes variem, tanto em direção quanto em intensidade. Isso é muito importante, pois os corais recebem água de várias direções, e em várias intensidades, tornando o processo de escovação da água muito mais eficiente.



Se todo o aparato for, além de variável, oscilatório, o que se faz ligando cada bomba a um gira-gira, obtemos uma movimentação de água ideal. De acordo com os intervalos de cada modalidade de número de bombas ligadas que o wave maker impõe, ainda temos o movimento de cada bomba, maximizando o processo de turbulência e atingindo quase com certeza todos os pontos do aquário.
Pode-se, inclusive, utilizar menos bombas para obter o mesmo resultado, e por conseqüência aquece-se menos a água.



Apesar de ser completamente contra colocar regras rígidas, passo abaixo alguns volumes de aquários mais comuns, e as bombas e equipamentos que podemos adaptar a eles para otimizar os sistemas de movimentação de água, levando em conta que a posição das bombas não sejam direcionadas para baixo, para não prejudicar o filtro denitrificador.

Volume (lts) | Principal | Internas | Gira giras | Wave maker

200............1000 l/h....2 x 900 l/h........2................Sim
300............2000 l/h....2 x 1200 l/h......2................Sim
500............4000 l/h....2 x 1600 l/h......2................Sim
750............4000 l/h....4 x 1600 l/h......4................Sim
1000..........4000 l/h....4 x 3000 l/h......4................Sim

Principal – vazão da bomba principal sem considerar perdas
Internas – quantidade de bombas, de "x" litros por hora (l/h) cada uma

Se forem feiras contas par relacionar os volumes e taxas de circulação dados acima, chegar-se-á a aproximadamente 14 vezes o volume do aquário. Por favor, não tome isso como regra ! Os resultados acima são coincidência, e contam com alguns fatores:

1 – Uso de wave maker
2 – Bombas com caminho desobstruído para a saída de água
3 – Uso de gira-giras
4 – Uso de rochas em volume não maior do que 25% do volume do aquário
Mesmo levando em conta esses fatores, a disposição das rochas pode mudar a maneira como a água circula no aquário. A relação entre a altura do aquário e sua profundidade da frente até o vidro de trás também afeta essa taxa.
É, portanto, necessário considerar que o fator mais importante é o bom-senso.
Qualquer pessoa, mesmo não tendo prática em aquarismo, pode perceber certas coisas que indicam erros na disposição das bombas, ou a potência aplicada;

1 – A água nunca deve levantar a areia do fundo
2 – Os corais não devem estar sempre se fechando, ficando enrugados e com aspecto ferido
3 – A circulação da água deve ser de maneira que atinja todos os pontos possíveis do aquário
4 – Não se deve usar uma bomba só para todo o aquário, a fim de poder provocar turbulência quando os fluxos das bombas se encontram 5 – Deve-se providenciar o arranjo das bombas de maneira que a maior parte da circulação de água seja feita perto da superfície

O problema de corais serem machucados é resolvido por simples observação; se o animal estava com melhor aspecto na loja, depois de uns três dias no aquário, há problemas. Por melhor que seja a água de uma loja, a de um bom aquário residencial a supera com facilidade.
Portanto, é muito importante ser bom observador, e mudar o lugar do coral quando acontecer algo assim. Apesar de que os conselhos do lojista possam ser de grande valia, é melhor confiar mais no bom-senso; o lojista não está com você em casa, e muitas vezes nem conhece seu aquário pessoalmente.

Tiramos de todo este artigo que o mais importante fator para se estabelecer uma boa circulação no aquário é muito subjetivo. Esse fator é, basicamente, aprender a observar. Com observação e bom-senso, podemos perceber que algumas das características de nossos aquários podem estar equivocadamente exageradas. A circulação de água é um fator de suma importância para os animais, e erros em sua execução podem levar a problemas muito sérios.

Pode-se dizer que corais específicos precisam de corrente de água mais forte do que outros, como por exemplo Acropora spp. A solução coincide com a necessidade, pois geralmente corais que precisam de mais correnteza também necessitam de mais luz, portanto a solução é colocar esses corais mais perto da superfície. Animais como Tridacna spp, são as raras exceções; precisam de muita luz, mas pouca movimentação de água. Nesse caso, é necessário apenas usar luz potente, e colocá-las ao abrigo das correntes fortes.

Devemos nos lembrar que o movimento de água no ambiente natural é bem diferente do que provemos aos corais em aquários, mas, mais uma vez, torno a insistir que o que fazemos é um pobre arremedo do que a Natureza faz há milhões de anos. Por mais bonito e impressionante que um aquário possa ser, nunca nos igualaremos ao Mar.

http://www.aqua.brz.net

Ricardo Miozzo
Colaborador de Aquarismo Marinho

Pesquisar AJUDA

Selecione esta opção se você deseja que sua pesquisa procure no texto dos itens da AJUDA, assim como nos títulos.

Selecione uma opção aqui para especificar como deseja que sua pesquisa seja tratada. 'Qualquer Palavra' retornará o maior número de possíveis resultados relevantes, enquanto 'Frase Completa' retornará apenas resultados que contenham exatamente aquilo que você pesquisou.