Resultados 1 a 2 de 2

Tópico: Agresividade de Corais

  1. #1
    Equipa RF Avatar de Roberto Pacheco
    Data de Ingresso
    10-09-04
    Localização
    USA
    Posts
    2.634

    Agresividade de Corais

    Michael Palleta

    Coral agression

    Aquascaping as noted in the last two articles is more than simply placing the live rock and corals in a tank in a random fashion. Careful planning is crucial in that not only is it necessary to provide for an aesthetically pleasing tank, but it also determines in many instances the long-term health of the corals. One of the most frustrating aspects of keeping a reef tank is to lose a coral unnecessarily. One of the biggest reasons for this loss is improper placement of the coral. Improper placement can result in one coral falling into another if it is not positioned properly. In addition, if inadequate space is provided when the corals are introduced, they will eventually grow into each other; which can result in aggression between them and the eventual demise of one or both. For these and several other reasons outlined below, placing corals in the proper spot in a reef tank is crucial to the long-term success of the inhabitants.

    With the dramatic improvement and widespread use of metal halide lighting and the increasing availability of new coral species, extra consideration needs to be taken as to where corals should be placed. In addition, coral placement to reduce aggression needs to be taken into consideration because many of the corals that we are now keeping are much more aggressive than species we used to keep. This aggression has also become more of a problem as a result of our being more successful at keeping corals in general because now corals grow to much greater sizes than they did in the past. As the size of these corals increases, so too does their proximity to each other and as a result more of their aggressive nature manifests itself. While their aggressiveness was hardly observable and not a problem when many of these corals were small, their effect on neighboring corals becomes dramatically noticeable when they grow to their normal size.

    Before describing the placement of corals, a brief description of coral aggression will illustrate the need for adequate spacing between corals. This spacing of corals is important as corals will grow to their full potential only when sufficient room is provided. When looking at pictures of a reef, the first thing noticed is the diversity of life. All spaces on the reef are filled with different organisms suited to fill every niche. This diversity is the result of the organisms evolving through competition. The factor underlying this competition is aggression; both subtle and overt.

    This subtle aggression takes the form of gradual conflicts that occur slowly on a continuous basis. Subtle aggression is particularly prevalent among corals as a result of their constant battle for survival. Corals have to cope with currents, predation by fish and other invertebrates, as well as competition from neighboring corals for light, nutrients and food. Consequently, corals have developed several specialized mechanisms for protection and competition with other corals. These include sweeper tentacles, mesenteric filaments, and terpenoid compounds (Ates, 1989).

    Sweeper tentacles are the most common of these defense mechanisms in hard corals. These mouthless elongated tentacles form the outermost portion of the coral colony and act as a "patrol" along the periphery. When these tentacles encounter a competing coral, it may attack the competing coral and literally "burn" the offending coral to the point of either killing it or severely damaging it. This "burning" is the result of specialized stinging cells called nematocysts being present in these tentacles. The chemical present in these nematocysts is an alkali toxin similar to bee venom. This may be why corals are said to "sting one another". The relative toxicity of these tentacles differs among various species of corals, as does the length to which these tentacles can elongate (Sheppard, 1982). This degree of toxicity is important in that if two corals fall into each other the relative toxicity of their nematocysts will determine how long they can be in contact before serious injury results. Some corals will be killed after falling into another coral after just fifteen minutes of contact. When two corals have relatively equal toxicity in their nematocysts it is possible for them to kill each other when they fall together. This is why it is important to take precautions to prevent corals from falling into one another.

    The length of these sweeper tentacles is not correlated to the length of the normal coral polyp and may in fact be many times longer. One of the most dramatic illustrations of this is in the sweeper tentacles present the coral Pavona cactus, a small-polyped stony coral who's branches are thick and resemble potato chips. Despite the fact that the branches of this coral are only several millimeters thick, the sweeper tentacles that come out may be four or five centimeters long. Another example of dramatic elongation of sweeper tentacles is seen in the sweeper tentacles of the Crystal Coral (Galaxea fascicularis). In this coral, normal polyps are only one to two centimeters long while sweeper tentacles have been seen that are 30cm. long. These sweeper tentacles are especially toxic and often clear the area completely of any other invertebrates within the colony's proximity. Therefore, when selecting this coral, care should be taken to provide abnormally wide spacing between it and other corals.

    These sweeper tentacles not only appear when a coral is placed in close proximity to another, but they also seem to result when a coral senses the presence of another aggressive coral. I have observed this phenomenon first hand with my Crystal coral. When first placed in my tank no sweeper tentacles appeared during the first three months. However, a Hammer coral (Euphyllia species) was placed in this same tank, the sweeper tentacles appeared within three days. These tentacles also appear to be able to sense where the competitor is located in that regardless of where a Crystal coral is placed relative to the Hammer coral, the sweeper tentacles always develop toward the Hammer coral. Interestingly, the Euphyllia also developed sweeper tentacles, but they were present only on the side nearest the Crystal coral.

    In addition to these tentacles, several hard coral species can produce mesenteric filaments from their stomachs. Corals of the genera Favia, Favites, Scolymia, Pavona, and Cynarina all have this capacity (Chadwich, 1987). These filaments can also kill or devour other coral polyps through a process similar to digestion. Some corals even have the capacity to produce both of these defensive structures, enabling them to fight a battle on several fronts (Wallace, 1984).

    These two defense mechanisms are utilized predominantly by hard corals. It is only until recently that sweeper tentacles have been observed in the soft corals. I had never read or heard about soft corals producing these tentacles, but in my friend Dr. Michael Fontana's 1000 gallon reef aquarium I observed a Leather coral (Sarcophyton sp.) producing very fine sweeper tentacles that were irritating a nearby zooanthid colony. This tentacle did not appear to be as well defined as the sweeper tentacles produced by the stony corals, but they appeared to produce the same result.

    The soft corals generally compete with the hard corals by releasing terpenoid or sarcophine compounds into the water to injure or impede the growth or neighboring corals and then overgrow these impeded individuals in a process called allelopathy (Delbeek and Sprung, 1994). Like their name implies, these compounds are similar to turpentine in chemical structure and in most instances are just as toxic. By releasing these compounds, the soft coral injures neighboring stony corals and can thus grow above them and eventually block out the light that they are both dependent upon and thus kill the underlying hard coral.

    In a reef aquarium, this aggressiveness can have severe and dire consequences. If it is allowed to progress to its conclusion, a large and expensive coral head could die. If these sweeper tentacles or mesenteric filaments are observed, the reef keeper should make sure to move all invertebrates in their proximity out of the way. However, if these tentacles have reached their target they should immediately be removed from the injured animal. If a portion of tentacle remains attached it should be physically removed, otherwise the toxic substances these tentacles secrete will continue to work and will kill the colony to which they have become attached. Fortunately, if the reef tank is well maintained and no microalgae are allowed to grow on the skeleton, the coral colony may recover and grow back over the damaged area.

    While a reef tank does not contain the great diversity of life that an actual reef does, provisions should still be made to try and minimize the aggression among corals. As noted previously, the relative aggressiveness among coral species varies. Consequently, when setting up a miniature reef, adequate space that is invertebrate free should be given around each coral head. This zone should be at least 15cm in all directions for large polyped stony corals as sweeper tentacles have been reported to be at least this long (Sheppard, 1982). The distance between small polyped stony corals does not need to be as long. A distance of 5-8cm is usually sufficient. However, it should be noted that these are the fastest growing of all corals so extra space should be allowed for this. For this reason, I suggest that a buffer zone of 30% of the coral colony's size be set in place when originally placing the corals in order to allow for growth. This may seem extreme and may initially make the tank look sparsely decorated. However, in a well-designed and maintained reef tank, this space will be almost completely filled within the first year simply from growth. If growth space is not allowed for, what eventually results is the constant need to prune corals lest they burn and kill one another. For the most part, the space between soft corals does not need to be as great initially, as in most cases; soft corals do not burn each other to the same degree as do hard corals when they come in contact with one another. Consideration does need to be given for growth of these corals; otherwise, a faster growing coral will overshadow a slower growing coral and eventually starve it out for light. Another consideration when placing soft corals is that these corals should be positioned so that the mucous and terpenoids produced are not allowed to come into direct contact with their neighbors. These corals will do the least harm to other corals if the water movement in the tank is such that after the water moves across them it flows down an overflow and into a sump where the harmful compounds can be removed with either protein skimming or carbon.

    One last aspect of coral placement as it relates to aggression is preventing a colony from falling over. That is, how likely is it that one coral will tip over and land on another coral and as a result burn or be burned when it comes into contact with this other coral. This may seem trivial, but whole colonies of coral have been lost due to a small part of the colony being burnt as a result of it falling into another colony. This burnt area then becomes infected and consequently the whole colony dies as a result. This is particularly troublesome for small polyped stony corals that usually arrive unattached to anything. Therefore, when placing these corals on live rock a dab of waterproof epoxy or gel type super glue should be used to hold them in place until they encrust over the area themselves. An alternative is to use rubber bands or plastic cable ties to anchor the colonies in a less permanent manner. As mentioned above, when colonies do fall into one another, they should be separated as quickly as possible and any damage washed off in the current to try and rid the animal of nematocysts.

    Taking aggressiveness into consideration is only one factor in determining coral placement. Other factors that are crucial are light preference and water movement. These latter two factors are hard to quantify in that there are dramatic differences in lighting systems as well as methods and force of water movement. However, there are some generalities regarding coral placement that have been observed. When placing a coral, consideration of its lighting and current requirements should be made long before it is placed in a particular location. This is because moving a coral even a small distance once it has adapted to conditions at one spot cause the coral to "re-adapt" to these new conditions. It has been reported that it takes at least four weeks for a coral to adapt to new conditions and start to grow. Therefore placement should be planned so as to not inhibit the coral's growth by constantly moving it from place to place.

    In terms of lighting a reef aquarium there are now many choices, but fluorescent lighting is still the method of choice for most reef enthusiasts, particularly those predominantly keeping soft and large polyped stony corals. Fortunately, even in fluorescent lighting there are now many choices. In addition to standard bulbs, high output (HO) and very high output (VHO) bulbs are also available. Other smaller fluorescent bulbs such as power compact high output bulbs and T-5 lamps have now become a standard in the hobby. As their names imply these bulbs differ by the amount of light that they produce. For the majority of tanks housing soft corals and large polyped stony corals, fluorescent lighting (either VHO or power compact or T-5s) will provide all the light necessary to meet the animals' needs and allow them to thrive and grow.

    However, with VHO fluorescent lighting and more so with power compact and especially metal halide lighting, care needs to be exercised when placing the animals under an artificial lighting regimen. The lighting is artificial because no matter what lighting is used it is inferior to the natural lighting that the coral's are exposed to on the reef. Because of this difference, it is advantageous to slowly acclimate new corals to artificial light. This is because many of the lighting sources that are used contain more ultraviolet (UV) light than the corals are accustomed to. If the corals are not acclimated slowly to this light, it may cause them to bleach or burn. This is particularly the case with the VHO bulbs or metal halide lamps.

    For this reason, all new corals should be placed at the bottom third of the tank for at least one month after they are acquired. After this one-month acclimation period, the coral is gradually moved up to its desired final location over another one-month period. This may seem extreme, however tanks should be looked at as long term, five year plus, projects, so there is really no need to hurry.

    The above-described method is good for small polyped stony corals that show the least tolerance for being light shocked owing to the thin veneer of living tissue that is actually present on the colony. It is also useful for large polyped stony corals like Brain corals (Symphyllia, Favia), Open Brain corals (Trachyphyllia), Elegance (Catalyphyllia) as well as any other corals that contain a lot of bright green pigment in their tissues. Many of these green-pigmented corals show very severe shock responses if they are placed high up in a tank using metal halide lighting, as evidenced by their bleaching and dying very quickly. Because of this a very gradual system of acclimation to light should be adhered to and deaths due to light shock should be reduced.

    Under metal halide lighting, many corals can remain at the bottom of the tank. Mushroom anemones (Actinodiscus sp.), Plate corals (Fungia sp.), Tongue corals (Herpolitha sp.), Brain corals (Favia, Favites, Symphyllia, etc.) all do quite well in the lower depths of these tanks. In addition, Elegance (Catalyphyllia) and Bubble (Plerogyra) corals seem to do better under metal halide lighting when placed lower and to the far sides of the tank. In terms of placing the corals, once they have acclimated the general rule is the brighter the color of the coral the closer to the lights it should reside. Thus bright pink Bird's Nest (Seriatopora hystrix) or Cactus (Pocillopora verrucosa) corals usually should be placed higher in the tank than their brown counterparts. The reason for this is that the brighter color indicates pigments in the tissue have been produced to protect the coral from UV light that is present in the shallower depths (Delbeek and Sprung, 1994). Also once a coral has been acclimated to this bright light and begins to grow, the growth tips will usually be of a brighter color than the original colony itself.

    This same pattern also holds for soft corals. Brightly colored soft coral colonies like Yellow Tonga Leather corals (Sarcophyton sp.), bright green Finger Leather corals (Sinularia sp.) and white Xenia colonies all seem to do better with brighter lighting than their brown or beige counterparts. If the lighting is inadequate for these brightly colored corals, the bright colors will gradually fade over time. A good indicator of whether a coral is in the proper place and under adequate lighting is how does its color compare with what it looked like when it originally arrived. If the lighting is better and the coral is acclimated properly, it is even possible to bring out the colors of a coral so that over time it may be more green or pink than when it was originally collected. This may be the result of more UV light being present in our reef tanks than the coral was exposed to in the wild. Thus to compensate for this, brighter pigmentation occurs.

    The last factor to be concerned with in terms of a coral's placement is water movement. Most corals have very little means for cleansing themselves. This is because, for the most part, the current moving around the reef constantly performs this function. That is why powerheads or some other sources of water movements are so essential in a reef tank. Otherwise, detritus will settle on the corals and cause decay that quickly leads to algae formation and the demise of the animal. However, not all animals require the same amount of water movement. Corals that do best with strong water movement usually come from areas where wave action is greatest. These corals usually have small polyps and are either bulky or encrusting in form (Veron, 1986). Corals such as Porites, Turbinaria, and some Acroporas fall into this category. These corals can take the strongest water movement in a reef tank as they live on the outermost slopes of the reef.

    The next group of corals require moderate current as they come from the lagoons and back reefs where the current is not as great and in fact may be limited to the changing of the tides. Nevertheless if adequate water movement is not present these corals will not thrive. Most of these corals have either large polyps or are fairly large polyped encrusting corals. Corals such as Star polyps (Clavularia sp.) Flowerpot (Goniopora sp.), Leather and Finger Leather Sarcophyton and Lobophyton corals fall into this category. The next group requires even more water movement and includes Soft Finger Leather corals (Sinularia, Nepthea), Colt coral (Cladiella), Polyp rock (Zooanthid sp.) and Euphyllia and Elegance corals. The last group still requires water movement, but it is only a trickle relative to what the first groups of corals received. This group includes Mushroom anemones (Actinodiscus sp.), Elephant Ear Anemones (Rhodactis sp.), and Bubble Corals (Plerogyra).

    Despite the brevity given to water movement and its relation to coral placement, in many instances the difference between success and failure with a particular coral specimen has often been the result of moving an animal several centimeters in relation to the water movement. Also, when I have had an animal that was not thriving, it was generally due to inadequate water movement rather than too strong a current.

    Besides the three aspects of coral placement described above there are many other factors that need to be considered. My goal, however, was to provide general guidelines and factors to be considered rather than the actual requirements for every coral species. I would like to point out two rules that are truer than not: corals hate to be moved and require time to acclimate to new conditions, and if a coral is not thriving in a location after two weeks than chances are it will die unless you move it. Only by observing your tank regularly will you get a feel for how the corals are doing and whether a particular animal needs to be moved or not.
    "I seem to have been only like a boy playing on the seashore, and diverting myself in now and then finding a smoother pebble or a prettier shell than ordinary, whilst the great ocean of truth lay all undiscovered before me." Sir Isaac Newton


  2. #2
    Administrator Avatar de Julio Macieira
    Data de Ingresso
    08-09-04
    Localização
    Coimbra
    Idade
    54
    Posts
    6.839

    Re: Agresividade de Corais


    Aquascaping como notável nos últimos dois artigos é mais do que simplesmente colocando a rocha e os corais vivos em um tanque em uma forma aleatória. O planeamento cuidadoso é crucial naquele é não somente ele necessário fornecer para um tanque aesthetically satisfazendo, mas determina também em muitos exemplos a saúde a longo prazo dos corais. Um dos aspectos frustrar de manter um tanque do recife deve perder desnecessariamente um coral.

    Uma das razões as mais grandes para esta perda é colocação imprópria do coral. A colocação imprópria pode resultar em um coral que cai em outro se não for posicionada correctamente. Além, se o espaço inadequado for fornecido quando os corais estão introduzidos, crescerão eventualmente em se; qual pode resultar no a agressão entre eles e a morte eventual de um ou ambos. Para estes e diversas outras razões esboçados abaixo, colocar corais no ponto apropriado em um tanque do recife é crucial ao sucesso a longo prazo dos habitantes. Com a melhoria dramática e o uso difundido da iluminação HQI e a disponibilidade crescente da espécie coral nova, a consideração extra necessita ser feita exame a respeito de onde os corais devem ser colocados. Além, a colocação coral para reduzir a agressão necessita ser feita exame na consideração porque muitos dos corais que nós estamos mantendo agora são muito mais agressivos do que a espécie que nós nos usamos se manter.

    Esta agressão transformou-se também mais de um problema em consequência de nosso ser mais bem sucedido em manter corais no general porque agora os corais vêm a uns tamanhos muito mais grandes do que ele fez no passado. Enquanto o tamanho destes corais aumenta, faz assim demasiado sua proximidade a se e em consequência mais de sua natureza agressiva manifesta-se. Quando sua agressividade era mal observada e não um problema quando muitos destes corais eram pequenos, seu efeito em corais neighboring torna-se dramática visível quando vêm a seu tamanho normal. Antes de descrever a colocação dos corais, uma descrição breve do a agressão coral ilustrará a necessidade para o afastamento adequado entre corais. Este afastamento dos corais é importante porque os corais virão a seu potencial cheio somente quando o quarto suficiente é fornecido.

    Ao olhar retratos de um recife, a primeira coisa observada é a diversidade da vida. Todos os espaços no recife são enchidos com os organismos diferentes servidos para encher cada niche. Esta diversidade é o resultado dos organismos que evoluem através da competição. O factor subjacente esta competição é a agressão; subtil e overt. Este a agressão subtil faz exame do formulário dos conflitos graduais que ocorrem lentamente em uma base contínua. A agressão subtil particularmente prevalece entre corais em consequência de sua batalha constante para a sobrevivência. Os corais têm que lidar com as correntes, predação por peixes e outros invertebrados, assim como a competição dos corais neighboring para a luz, os nutrientes e o alimento. Consequentemente, os corais desenvolveram diversos mecanismos especializados para a protecção e a competição com outros corais. Estes incluem tentaculos do sweeper, filamentos mesenteric, e compostos terpenoid (Ates, 1989). Os tentaculos do sweeper são os mais comuns destes mecanismos de defesa em corais duros. Estes tentaculos alongados mouthless dão forma à parcela outermost da colónia coral e agem como uma "patrulha" ao longo da periferia. Quando estes tentasses encontram um coral competindo, pode atacar o coral competindo e literalmente "queime" o coral offending ao ponto ou da matança ele ou severamente danificando o.

    Este "que queima-se" é o resultado das pilhas stinging especializadas chamadas os nematocysts que estão actualmente nestes tentaculos. O produto químico actual nestes nematocysts é uma toxina do alcalóide similar ao veneno da abelha. Isto pode ser porque os corais são ditos "sting um outro". A toxicidade relativa destes tentáculos difere entre a vária espécie dos corais, como o comprimento a que estes tentáculos podem elongate (Sheppard, 1982). Este grau de toxicidade é importante naquele se dois corais caírem em se que o toxicidade relativo de seus nematocysts determinará quanto tempo podem estar no contacto antes dos resultados sérios de ferimento. Alguns corais serão mortos após a queda em um outro coral após apenas quinze minutos do contacto. Quando dois corais têm uma toxicidade relativamente igual em seus nematocysts é possível para eles matar-se quando caem junto. Isto é porque é importante fazer exame de precauções para impedir que os corais caiam em cima um do outro.

    O comprimento destes tentáculos do sweeper não é correlacionado ao comprimento dos pólipos coral normal e pode no fato ser muitas vezes mais por muito tempo. Uma das ilustrações as mais dramáticas desta é no presente dos tentáculos do sweeper o cacto coral de Pavona, um coral duro pequeno-polipo que tenha filiais seja grosso e assemelha-se a micro plaquetas de batata. Apesar do fato que as filiais deste coral são somente diversos milímetros grossos, os tentaculos do sweeper que saem podem ser quatro ou cinco centimetros por muito tempo.

    Um outro exemplo do alongamento dramático de tentáculos do sweeper é visto nos tentáculos do sweeper do coral de cristal (fascicularis de Galaxea). Neste coral, os polipos normais são somente um a dois centimetros longos quando os tentaculos do sweeper forem vistos que são 30cm. longos. Estes tentáculos do sweeper estão especialmente tóxicos e frequentemente desobstruídos a área completamente de todos os outros invertebrados dentro da proximidade da colónia. Consequentemente, ao seleccionar este coral, cuidado deve ser tomado para fornecer o afastamento anormalmente largo entre ele e outros corais. Estes tentáculos do sweeper não somente para aparecer quando um coral é colocado na proximidade próxima a outra, mas parecem também resultar quando um coral detecta a presença de um outro coral aggressive.

    Eu observei esta primeira mão do fenômeno com meu coral de cristal. Quando colocado primeiramente em meu tanque nenhum tentáculos do sweeper apareceu durante os primeiros três meses. Entretanto, um coral do martelo (espécie de Euphyllia) foi colocado neste mesmo tanque, os tentáculos do sweeper apareceu dentro de três dias. Estes tentáculos parecem também poder detectar onde o concorrente é ficado situado naquele não obstante onde um coral de cristal é colocado relativo ao coral do martelo, os tentáculos do sweeper se torna sempre para o coral do martelo. Interessante, o Euphyllia desenvolveu também tentáculos do sweeper, mas estavam actuais somente no mais próximo lateral o coral de cristal. Além a estes tentáculos, diversas espécies corais duras podem produzir filamentos mesenteric de seus estômagos. Os corais dos genera Favia, Favites, Scolymia, Pavona, e Cynarina todos têm esta capacidade (Chadwich, 1987). Estes filamentos podem também matar ou devour outros polipos corais com um processo similar à digestão.

    Alguns corais têm mesmo a capacidade produzir ambas estas estruturas defensivas, permitindo as de lutar uma batalha em diversas partes dianteiras (Wallace, 1984). Estes dois mecanismos de defesa são utilizados predominantly por corais duros. É somente até tentáculos desse sweeper tem sido observada recentemente nos corais macios. Eu tinha lido nunca ou ouvido sobre corais macios produzindo estes tentáculos, mas meu aquários do recife do galão do Dr. Michael Fontana do amigo em 1000 eu observei um coral de couro (sp de Sarcophyton.) produzindo os tentáculos muito finos do sweeper que irritating uma colónia próxima do zooanthid. Este tentacle não pareceu ser definido também como os tentáculos do sweeper produzidos pelos corais duros, mas pareceram produzir o mesmo resultado.

    Os corais macios competem geralmente com os corais duros liberando-se terpenoid ou os compostos do sarcophine na água para ferir ou impedir o crescimento ou os corais neighboring e para overgrow então estes indivíduos impedidos em um allelopathy chamado process (Delbeek e saltado, 1994). Como seu nome implica, estes compostos são similares ao turpentine na estrutura química e em a maioria de exemplos seja justo como tóxico. Liberando estes compostos, o coral macio fere corais duros neighboring e pode assim crescer acima deles e eventualmente obstruir para fora a luz que são dependentes upon e para matar assim o coral duro subjacente.

    Em um aquário do recife, esta agressividade pode ter consequências severas e dire. Se fosse permitido progredir a sua conclusão, uma cabeça coral grande e cara poderia morrer. Se estes tentáculos do sweeper ou filamentos mesenteric forem observados, o keeper do recife deve certificar-se mover todos os invertebrados em sua proximidade afastada. Entretanto, se estes tentáculos alcançarem seu alvo devem imediatamente ser removidos do animal ferido. Se uma parcela do tentáculo e remanescer o unir for removida fisicamente, se não as substâncias que tóxicas estes tentáculos secretam continuarão a trabalhar e matará a colónia a que se tornaram unidos. Felizmente, se o tanque do recife for mantido bem e nenhum micro-algas estiver permitido crescer no esqueleto, a colónia coral pode recuperar e crescer para trás o excesso a área danificada.

    Quando um tanque do recife não contiver a diversidade grande da vida que um recife real , as provisões devem ainda ser feitas para tentar e minimizar a agressão entre corais. Como notável previamente, a agressividade relativo entre a espécie coral varia. Conseqüentemente, ao ajustar acima um recife diminuto, o espaço adequado que é invertebrado livre deve ser dado em torno de cada cabeça coral. Esta zona deve ser ao menos 15cm em todos os sentidos para grande poliposed corais duros porque os tentáculos do sweeper foram relatados para ser ao menos este longos (Sheppard, 1982). A distância entre pequeno poliposed corais duros não necessita ser como long. Uma distância de 5-8cm é geralmente suficiente. Entretanto, deve-se anotar que estes são o crescimento o mais rápido de todos os corais assim que o espaço extra deve ser permitido este. Para esta razão, eu sugiro que uma zona de amortecedor de 30% do tamanho da colónia coral esteja ajustada no lugar ao originalmente colocar os corais a fim permitir o crescimento. Este pode parecer extremo e pode inicialmente fazer o tanque olhar decorado escassa. Entretanto, em um tanque well-designed e mantido do recife, este espaço será enchido quase completamente dentro do primeiro ano simplesmente do crescimento.

    Se o espaço do crescimento não for permitido, que eventualmente resultados são a necessidade constante podar corais a fim de que não queimem e matem um outro.

    Para a maioria de parte, o espaço entre corais macios não necessita ser como grande inicialmente, como em a maioria de casos; os corais macios não se queimam ao mesmo grau que duramente os corais quando vêm no contacto com um outro. A consideração necessita ser dada para o crescimento destes corais; se não, uma vontade coral crescente mais rápida overshadow um coral de um crescimento mais lento e starve eventualmente o para fora para a luz. Uma outra consideração ao colocar corais macios é que estes corais devem ser posicionados de modo que o muco e o terpenoids produzidos não sejam permitidos vir no contacto directo com seus vizinhos. Estes corais farão menos dano a outros corais se o movimento da água no tanque for tal que depois que os movimentos da água através deles ele fluem abaixo um excesso e em um depósito onde os compostos prejudiciais possam ser removidos com a proteína que skimming ou carbono.

    Um último aspecto da colocação coral enquanto se relaciona a agressão está impedindo que uma colónia caia sobre. Isto é, como é provavelmente que um coral derrubará excedente e a terra em um outro coral e em se queimará ou será queimado quando vier no contacto com este outro coral. Isto pode parecer trivial, mas as colónias inteiras do coral foram perdido devido a uma parte pequena da colónia que está sendo queimada em consequência dele que cai em uma outra colónia. Esta área queimada torna-se então infected e conseqüentemente a colónia inteira morre em consequência. Isto é particularmente incômodo para pequeno poliposed os corais duros que chegam geralmente unattached a qualquer coisa. Conseqüentemente, ao colocar estes corais na rocha viva um dab do tipo impermeável colagem super epoxy ou do gel deve ser usado prendê-los no lugar até que encrust sobre a área eles mesmos. Uma alternativa deve usar as faixas de borracha ou cintas plásticas plásticas escorar as colónias em uma maneira mais menos permanente. Como mencionado acima, quando as colónias caem em uma outra, devem ser separadas tão rapidamente quanto possível e todos os danos lavados fora na corrente à tentativa e livrar o animal dos nematocysts. Fazer exame da agressividade na consideração é somente um factor em determinar a colocação coral.

    Outros factores que são cruciais são movimento claro da preferência e da água. Estes últimos dois factores são duros de quantify naquele lá são diferenças dramáticas em sistemas de quantidade de luz as.well.as métodos e força do movimento da água. Entretanto, há alguns generalities a respeito da colocação coral que foram observados. Ao colocar um coral, a consideração de seu quantidade de luz e as exigências atuais devem ser feitas longas antes que esteja colocada em uma posição particular. Isto é porque movendo um uniforme coral a uma distância pequena uma vez se adaptou às circunstâncias em uma causa que do ponto o coral "re-se adapta" a estas circunstâncias novas. Relatou-se que faz exame ao menos de quatro semanas para que um coral se adapte às circunstâncias novas e se comece crescer.

    Consequentemente a colocação deve ser planeada para não inibir o crescimento do coral constantemente movendo o do lugar para o lugar. Nos termos de iluminar um aquário do recife há agora muitas escolhas, mas a quantidade de luz fluorescente é ainda o método da escolha para a maioria de entusiastas do recife, particularmente aqueles que mantêm predominantly o soft e grande poliposed corais duros. Felizmente, mesmo na quantidade de luz fluorescente há agora muitas escolhas. Além aos bulbos padrão, a saída elevada (HO) e os bulbos muito elevados da saída (VHO) estão também disponíveis.

    Outros bulbos fluorescentes menores tais como bulbos da saída do estojo compacto do poder e as lâmpadas T-5 elevados têm-se transformado agora um padrão no passatempo. Enquanto seus nomes implicam estes bulbos diferem pela quantidade de luz que produzem. Para a maioria dos tanques abrigar corais macios e grande poliposed corais duros, o quantidade de luz fluorescente (ou VHO ou power o estojo compacto ou o T-5s) fornecerá toda a luz necessária encontrar-se com as necessidades dos animais e permitir que prosperem e cresçam. Entretanto, com quantidade de luz fluorescente de VHO e mais assim com o poder compacto e especial quantidade de luz halide do metal, o cuidado necessita ser exercitado ao colocar os animais sob um regimen artificial do quantidade de luz. O quantidade de luz é artificial porque não importa o que o quantidade de luz é usado é inferior ao quantidade de luz natural que o coral está exposto no recife. Por causa desta diferença, é vantajoso aclimatar lentamente corais novos à luz artificial. Isto é porque muitas das fontes de quantidade de luz que são usadas contêm uma luz (UV) mais ultravioleta do que os corais são acostumadas a. Se os corais não aclimatados lentamente a esta luz, pode fazer com que descorem-se ou queimem-se. Este é particularmente o caso com os bulbos de VHO ou as lâmpadas do halide do metal. Para esta razão, todos os corais novos devem ser colocados no third inferior do tanque para ao menos um mês depois que são adquiridos. Após este período um mês de aclimatização, o coral é movido gradualmente até sua posição final desejada sobre um outro período um mês.

    Este não pode parecer, porém os tanques devem ser olhados como o prazo, cinco anos extremo mais, projetos, assim lá é realmente nenhuma necessidade apressar-se. O método above-described é bom para pequeno poliposed os corais duros que mostram menos tolerância para ser luz chocada devido ao folheado fino do tecido vivo que está realmente actual na colónia. É também útil para grande poliposed corais duros como corais de cérebro (Symphyllia, Favia), corais de cérebro abertos (Trachyphyllia), elegance (Catalyphyllia) as.well.as todos os outros corais que contiverem muitos do pigment verde brilhante em seus tecidos. Muitos destes corais verde-green-pigmented mostram respostas muito severas de choque se forem colocadas altamente acima em um tanque usando o quantidade de luz halide do metal, como evidenciadas seu descorar-se e morrer muito rapidamente. Por causa desta um sistema muito gradual do aclimatização à luz deve ser aderido a e as mortes devido ao choque luminoso devem ser reduzidas.

    Sobe a quantidade de luz HQI, muitos corais podem remanescer no fundo do tanque. Anemones do cogumelo (sp.), corais de Actinodiscus da placa (sp.), corais de Fungia da lingüeta (sp.), corais de Herpolitha de cérebro (Favia, Favites, Symphyllia, etc..) todos fazem completamente bem nas profundidades mais baixas destes tanques. Além, os corais do elegance (Catalyphyllia) e da bolha (Plerogyra) parecem fazer mais melhor sob o quantidade de luz halide do metal quando colocados mais baixo e aos lados distantes do tanque. Nos termos de colocar os corais, uma vez que aclimatados a régua geral é mais brilhante a cor do coral mais perto das luzes que deve residir. Os corais do ninho (hystrix de Seriatopora) ou do cacto do pássaro cor-de-rosa assim brilhante (verrucosa de Pocillopora) geralmente devem ser colocados mais altamente no tanque do que suas contrapartes marrons. A razão para esta é que a cor mais brilhante indica que os pigments no tecido estiveram produzidos para proteger o coral da luz UV que está actual nas profundidades mais rasas (Delbeek e saltado, 1994). Também uma vez que um coral aclimatados a esta luz brilhante e começa a crescer, as pontas do crescimento serão geralmente de uma cor mais brilhante do que a colónia original própria.

    Este mesmo teste padrão prende também para corais macios. As colónias corais macias brilhantemente coloridas gostam de corais de couro amarelos de Tonga (sp.), corais verdes brilhantes de Sarcophyton do couro do dedo (o sp de Sinularia.) e as colónias brancas todas de Xenia parecem fazer mais melhor com quantidade de luz mais brilhante do que suas contrapartes marrons ou beges. Se a quantidade de luz for inadequado para estes corais brilhantemente coloridos, as cores brilhantes querem desvanecem-se gradualmente sobre o tempo.

    Um indicador bom de se um coral está no lugar apropriado e sobre a quantidade de luz adequada é como faz sua cor compara com a que olhou como quando chegou originalmente. Se o quantidade de luz for melhor e o coral aclimatados correctamente, é mesmo possível trazer para fora das cores de um coral de modo que sobre o tempo possa ser mais verde ou cor-de-rosa do que quando foi colectado originalmente. Este pode ser o resultado da luz MAIS UV que está actual em nossos tanques do recife do que o coral foi exposto ao selvagem.

    Assim para compensar para isto, uma pigmentação mais brilhante ocorre. O último factor a ser concernido com nos termos da colocação de um coral é movimento da água. A maioria dos corais têm muito pouco meios para auto-limpeza. Isto é porque, para a maioria de parte, se mover actual em torno do recife executa constantemente esta função. Isso é porque os powerheads ou algumas outras fontes de movimentos da água são assim essenciais em um tanque do recife. Se não, o detrito estabelecer-se-á nos corais e causar-se-á a deterioração que conduz rapidamente às algas à formação e a morte do animal. Entretanto, não todos os animais requerem a mesma quantidade de movimento da água. Os corais que fazem melhor com movimento forte da água vêm geralmente das áreas onde a acção da onda é a mais grande. Estes corais geralmente têm poliposs pequenos e são volumosos ou encrusting no formulário (Veron, 1986). Corais tais como Porites, Turbinaria, e alguma queda de Acroporas nesta categoria. Estes corais podem fazer exame do movimento o mais forte da água em um tanque do recife enquanto vivem nas inclinações outermost do recife. O grupo seguinte dos corais requer a corrente moderada enquanto vêm das lagoas e dos recifes traseiros onde a corrente não está enquanto grande e no fato pode ser limitado à mudança das marés. Não obstante se o movimento adequado da água não for presente estes corais não prosperarão.

    A maioria destes corais têm um ou outro pólipo grandes ou são razoavelmente grandes polyped corais encrusting. Corais tais como os pólipos da estrela (sp de Clavularia.) Flowerpot (sp. de Goniopora), o couro e o dedo os corais de couro de Sarcophyton e de Lobophyton caem nesta categoria. O grupo seguinte requer mesmo mais movimento da água e inclui corais macios do couro do dedo (Sinularia, Nepthea), coral do colt (Cladiella), rocha do polyp (o sp de Zooanthid.) e corais de Euphyllia e de elegance. O último grupo requer ainda o movimento da água, mas é somente um trickle relative.to o que os primeiros grupos dos corais receberam. Este grupo inclui anemones do cogumelo (sp. de Actinodiscus), anemones da orelha do elefante (sp. de Rhodactis), e corais da bolha (Plerogyra). Apesar da brevidade dada ao movimento da água e à sua relação à colocação coral, em muitos exemplos a diferença entre o sucesso e a falha com um espécime coral particular foi frequentemente o resultado de mover um animal diversos centimetros com relação ao movimento da água.

    Também, quando eu tive um animal que não prosperasse, era geralmente devido ao movimento inadequado da água melhor que a uma corrente demasiado forte. Além dos três aspectos da colocação coral descritos acima há muitos outros factores que necessitam ser considerados. Meu objectivo, entretanto, era fornecer orientações gerais e factores a ser considerados melhor que as exigências reais para cada espécie coral. Eu gostaria de indicar duas réguas que são mais verdadeiras do que não: os corais odeiam ser movidos e requerem a hora de aclimatar às circunstâncias novas, e se um coral não estiver prosperando em uma posição após duas semanas do que as possibilidades são ele morrerão a menos que você o mover. Somente observando sua vontade do tanque regularmente você começa uma sensação para como os corais estão fazendo e se um animal particular necessita ser movido ou não.
    Tradução automática
    Um abraço

    Julio Macieira



    Visita o Meu Aquário ***RED SEA 2007***


Informações de Tópico

Utilizadores Navegando neste Tópico

Há 1 Membros navegando neste tópico. (0 registrados e 1 visitantes)

Tags para este Tópico

Permissões de Postagem

  • Você não pode iniciar novos tópicos
  • Você não pode enviar respostas
  • Você não pode enviar anexos
  • Você não pode editar suas mensagens
  •